E se lhe disséssemos que comer queijo permite retardar o envelhecimento?

A revista Nature divulgou um estudo que revela a existência de uma bactéria na fermentação do queijo capaz de diminuir os processos inflamatórios no organismo e aumentar a imunidade. Por sua vez, estes fenómenos permitem retardar o envelhecimento.

Propionibacterium freudenreichii, a bactéria, está presente em vários lacticínios e tem propriedades anti-inflamatórias que reforçam o sistema imunitário, diminuindo a resposta ao stress e aumentando a esperança de vida.

Esta bactéria transforma o lactato (sais derivados do ácido láctico) em acetato, propionato e dióxido de carbono. Para além de darem sabor e cheiro ao queijo, estes elementos são responsáveis pelo reforço do sistema imunitário.

O estudo foi realizado por cientistas sul-coreanos que colocaram minhocas em contacto com a bactéria. Assim, foi possível concluir que as minhocas que estiveram em contacto com a bactéria viveram mais tempo e com mais saúde que as restantes.

Os cientistas perceberam ainda que os mecanismos com os quais a bactéria do queijo interage não são diferentes entre os humanos e as minhocas. “É possível que os mecanismos identificados neste estudo possam ser aplicados a outras espécies, incluindo aos seres humanos”, concluíram os cientistas.

Fonte: Sapo LifeStyle