Há quem diga que a arte de fazer queijo tem mais de 10 mil anos, tendo sido apreciada por vários povos, desde os Assírios aos Gregos e Romanos. Como tal, à medida que a tradição foi atravessando as gerações, foram também surgindo alguns mitos sobre este lacticínio, que hoje conseguimos facilmente desmitificar através das descobertas científicas.

Neste artigo apresentamos-lhe cinco curiosidades que provavelmente desconhece sobre o queijo:

1. Ajuda a prevenir a osteoporose

A osteoporose é uma doença causada pelo défice de cálcio nos ossos, sendo mais frequente em mulheres na menopausa, idosos e crianças que sofrem de desnutrição.
Ora, os produtos lácteos, ricos em cálcio e proteína, constituem-se como fontes ideais de nutrientes para a saúde óssea. É neste sentido que um estudo da Universidade de Florença mostrou que uma alimentação rica em lacticínios – tendo em conta as suas propriedades e nutrientes – pode reduzir em 50% o risco de contrair esta doença.

2. Não o torna mais esquecido

Provavelmente já ouviu a expressão popular portuguesa “comes muito queijo”. Esta afirmação é utilizada quando queremos dizer a alguém que é muito esquecido ou que tem má memória. Trata-se, portanto, de uma relação de causalidade que se acreditava existir entre comer queijo e a falta de memória.
Existe inclusivamente uma obra do padre Manuel Bernardes, Nova Floresta, que faz referência a esta crença: “Há também memória artificial da qual uma parte consiste na abstinência de comeres nocivos a esta faculdade, como são os lacticínios, carnes salgadas, frutas verdes e vinho sem muita moderação (…)”.
Contudo, a verdade é que diversos estudos sobre a memória e a nutrição revelaram que o queijo não só não prejudica a memória, como contém cálcio e fósforo, essenciais para o trabalho cerebral.

3. Acelera o metabolismo

Já mostrámos anteriormente que o queijo beneficia o metabolismo e a saúde em geral. Para que não restem dúvidas, uma outra investigação publicada no Journal of Agricultural and Food Chemistry mostrou que os indivíduos cujas dietas são ricas em queijo ou leite apresentam maiores níveis de butirato (ácido gordo produzido pelas bactérias do estômago). Por sua vez, este elemento tem um papel fundamental para a diminuição dos níveis de colesterol mau (LDL).
Apesar da relação do butirato com a perda de peso ainda não ter sido totalmente descoberta, alguns estudos em animais revelaram que este ácido aumenta o gasto de energia e acelera o metabolismo.

4. Os ratos não gostam

Neste momento deve estar a sentir-se enganado. Afinal, os desenhos animados que vimos durante a infância sempre nos fizeram acreditar que a melhor forma de atrair um rato seria colocar um pedaço de queijo numa ratoeira. Mas, na vida real, esta técnica não funciona.
Em 2006, um estudo da Universidade Metropolitana de Manchester mostrou que os ratos não só não gostam de queijo, como o evitam. Segundo as conclusões da investigação, estes animais não se sentem atraídos pelo cheiro do queijo, preferindo grãos de cereais e restos de fruta e de comida humana.

5. Aumenta a longevidade e combate o cancro

Uma experiência com ratos em laboratório levada a cabo pela Universidade do Texas determinou que o consumo de espermidina, um composto que pode ser encontrado em alguns queijos, diminuiu a probabilidade de desenvolvimento de cancro e aumentou em 25% a longevidade destes animais.

Fonte: Sapo LifeStyle