Ter um estilo de vida saudável está na moda. E cortar em todo o tipo de alimentos que possam parecer ameaças a esta forma de viver, também. Mas eliminar da nossa dieta determinados alimentos pode, contrariamente ao que se pensa, tornar-se malicioso para a nossa saúde – excluindo os casos de intolerância.

Os lacticínios são também produtos alimentares comummente retirados da alimentação de forma brusca. As pessoas acreditam que estes alimentos são responsáveis por causar degradação da pele ou por as fazer engordar. Na realidade, esta exclusão desnecessária aumenta a probabilidade de se tornar intolerante à lactose.

É frequente vermos os lacticínios – como o leite e o queijo – a serem trocados pela ingestão de bebidas vegetais. A opção por esta alternativa é muitas vezes justificada pela opinião de que a digestão destes produtos vegetais é mais fácil, rápida e, consequentemente, torna possível o processo de emagrecimento.

Contudo, este aspeto tem sido generalizado, sendo que em muitos casos estamos apenas perante situações de má digestão da lactose. Este fenómeno é causado pela baixa produção de lactase, a enzima responsável por eliminar a lactose.

De facto, a produção desta enzima é cada vez menos consoante o avançar da idade, levando a crer que, quanto mais velho, menos o ser humano precisa de consumir lacticínios – o que não é verdade. Para além disso, ao eliminar estes alimentos da sua dieta, o seu organismo vai concluir que já não precisa de produzir lactase.

Neste caso, tendo deixado de consumir lacticínios, ao tentar reintroduzir estes produtos na sua alimentação, o seu corpo poderá mostrar-se intolerante aos mesmos. Assim, se quiser voltar a comer alimentos com lactose, aconselha-se a que o faça gradualmente. É também importante considerar que o queijo e os iogurtes têm um nível de lactose mais reduzido, quando comparados ao leite.

Fonte: Independent / Notícias ao Minuto